Buscar

Novos comportamentos indicam tendências para incorporadoras


Em 2020 e daqui para a frente as atividades relacionadas ao mercado imobiliário ganham uma abrangência que ultrapassa todas as práticas até então tradicionais do setor. Incorporadoras e construtoras ampliam sua visão para alinhar os projetos com as novas exigências dos clientes, que se tornam a cada dia maiores e mais complexas.


Nesse aspecto é importante destacar que a segmentação é ainda mais relevante, considerando a maior diversidade dos nichos de mercado e suas diferentes expectativas. Estamos vivenciando a multiplicidade de expectativas das gerações que chegam e das gerações que avançam no tempo de vida incorporando os novos hábitos que a modernidade proporciona.


Ao mesmo tempo temos que pensar na diversificação dos imóveis para atender às novas configurações das famílias, mais dinâmicas e plurais. Contexto que favorece o interesse por locação e compartilhamento de espaços comuns, além da busca por flexibilidade e da forte valorização do espaço urbano.


“Os imóveis deverão oferecer soluções adaptáveis para uma sociedade mais plural e dinâmica.” Claudia Baggio, sócia da área de Financial Advisory da Deloitte Brasil

Agora temos que focar ainda mais na mobilidade das pessoas e nas facilidades oferecidas pela localização. Sem esquecer que o lugar onde as pessoas moram também costuma ser associado ao status e estilo de vida. Outros temas em destaque são a usabilidade e integração dos espaços, sustentabilidade, tecnologias que oferecem conforto, economia e bem estar e outras que podem reduzir custos de condomínio.


Todos esses fatores são atualmente observados pelos clientes e influenciam a decisão de compra. Enfim são muitos os aspectos que se relacionam com novos comportamentos e aspirações das pessoas e todos merecem ser avaliados atentamente pelos incorporadores.


Ao mesmo tempo que o cenário se apresenta muito positivo em 2020, os players que atuam no mercado imobiliário vêm observando essas tendências com muita atenção. Não se trata apenas de projetar e construir empreendimentos com arquitetos, engenheiros e equipes altamente qualificadas. O que na verdade é o básico da nossa atividade como incorporadores e construtores. O momento exige uma visão 360º. Desde buscar as tendências que impactam os comportamentos e expectativas das pessoas, até utilizar as novas tecnologias nos processos de concepção, construção e relacionamento com clientes.

Quando falamos de tecnologias o que importa mesmo é identificar aquelas que realmente acrescentam um diferencial positivo na vida dos moradores, sem impactar o valor final dos lançamentos. Nem tudo que é inovador precisa ser incorporado aos empreendimentos, mas precisamos entender o que significa bem estar e qualidade de vida para os nossos clientes e oferecer a eles o melhor dos nossos esforços e competências.


Com todas essas considerações em mente fui pesquisar um pouco do que já vem se revelando como tendência e a partir de 2020 pode se tornar ainda mais relevante para o mercado:


  • Cresce a busca por imóveis bem localizados

Nos grandes centros cresce a procura por apartamentos bem localizados e compactos, onde os ambientes amplos das áreas compartilhadas suprem o espaço mais restrito das áreas privativas. Esse tipo de imóvel agrada mais aos jovens e aos novos casais, pessoas que privilegiam a mobilidade e a praticidade em detrimento de mais espaço interno. A localização é o grande fator de atração para esse público, que valoriza o acesso aos meios de transporte e facilidades de comércio e lazer.


A localização também é muito valorizada por famílias que buscam bairros nobres, com facilidades de acesso e oferta de comércio e serviços como escolas, supermercados e outros que trazem comodidade para a vida cotidiana. Essa tendência se mostra relevante tanto para os grandes centros como para outras cidades onde o crescimento impulsiona a demanda por mobilidade.


  • Cresce a presença da população sênior

Na outra ponta da faixa etária cresce a presença da população sênior na busca por imóveis e ela já representa uma fatia considerável do mercado em todos os setores. No Brasil esse novo nicho se confirma com os dados do IBGE, segundo os quais a média de expectativa de vida no país é de 76 anos. Onde e como essas pessoas pretendem morar, com que tipo de facilidades e conforto, com que expectativas de bem estar é uma questão que pede respostas urgentes para que elas possam ser atendidas em novos modelos de empreendimentos.


O público sênior já é considerado pelos especialistas como o terceiro maior mercado do mundo, gera cerca de US$ 7 trilhões ao ano e se tornou conhecida como economia prateada. O relacionamento e atendimento a esse nicho de mercado no Brasil também traz uma surpresa positiva, vai ser pelo meio digital, ou melhor pelo mobile considerando que 60% deles já possui smartphone. Fatos confirmados pelas estatísticas de acesso do site Viva Real: em 2016, 2,7% dos acessos eram de pessoas com mais de 65 anos e em 2019 esse número chega a 6%, o que significa mais de 550 mil pessoas dessa faixa etária.


  • Valorização dos espaços integrados

A integração de espaços é outro aspecto importante dos projetos por permitir um uso mais dinâmico dos ambientes, ampliando as possibilidades de aproveitamento de cada área, por exemplo, integrando o lazer com o salão de festas que passa a ficar aberto e disponível para os moradores. Também se mostram mais valorizadas as áreas de uso comum equipadas para homewok e coworking, considerando o crescimento desse modelo de trabalho e a dificuldade de obter privacidade para tarefas profissionais no ambiente familiar. Essa tendência de integração também se conecta com novos comportamentos que surgem como resultado da saturação da vida online e as pessoas passam a valorizar as conexões reais e os contatos mais calorosos do mundo offline.

  • Cresce a consciência da sustentabilidade

Conforme a questão ambiental se mostra mais e mais urgente no mundo todo, mais pessoas se tornam conscientes de que é preciso agir surge a chamadapressão verde. A constante demanda pela sustentabilidade leva o tema para a pauta das empresas que querem se manter conectadas com as aspirações dos clientes. Para o mercado imobiliário as boas práticas de sustentabilidade começam nos projetos que privilegiam a captação de água de chuva, energia solar, uso de materiais que resultam em menor consumo de energia. Os processos construtivos também se tornaram mais sustentáveis, com a otimização do uso dos materiais e dos recursos de água e energia. A tendência de valorização dos empreendimentos que privilegiam a sustentabilidade só vai se fortalecer nos próximos anos.


Elementos de maior complexidade não faltam para compor o cenário presente e futuro do mercado imobiliário, antes restrito a projetos e plantas, terrenos e obras. Agora ampliado com um olhar mais profundo para o comportamento e aspirações das pessoas, com prioridade total para atuar com foco no cliente. As tendências vão e vêm, as tecnologias se renovam, mas o cliente é e sempre será a razão maior de existir das incorporadoras.

Luiz Augusto Franzolin, CEO Franzolin Engenharia